Água no joelho: por que ocorre o derrame articular?

Como prevenir a ruptura do tendão de Aquiles?
janeiro 31, 2019
Tenossinovite de Quervain
maio 15, 2019

O derrame articular, popularmente conhecido como água no joelho, ocorre quando há presença de sangue, pus ou líquido sinovial dentro da articulação e tem como principal causa a inflamação articular.

 

O aumento de líquido é acompanhado de muita dor, dificuldade de caminhar e esticar totalmente a perna, inchaço, vermelhidão, elevação da temperatura local e fraqueza na musculatura das pernas. Se o acúmulo for de sangue, pode haver ainda a degradação das articulações afetadas. O avanço dos sintomas pode ser tanto lento quanto muito rápido.

 

Esta inflamação pode ser consequência de diversos fatores:

– Trauma após torções ou pancadas;

– Lesões na cartilagem, menisco, ligamentos, bursas ou tendões, podendo haver sangramentos (hemartrose);

– Artrose nos joelhos: a degeneração da cartilagem pode fazer com que o corpo produza mais líquido a fim de suprir a parte comprometida;

– Bursite: as bursas são bolsinhas com líquido que lubrificam e reduzem o atrito entre músculos, tendões e pele. Quando está inflamada, elas se enchem com mais líquido;

– Gota: é causada pelo acúmulo de cristais de ácido úrico nas articulações. O inchaço acontece de forma rápida e é acompanhado de muita dor, calor e vermelhidão;

– Artrite reumatoide: doença autoimune, em que o organismo produz anticorpos que atacam o tecido sinovial. Além do inchaço, causa rigidez, dor, sensibilidade e vermelhidão. Pode aparecer em outras articulações, não somente nos joelhos;

– Artrite séptica: bactérias e outros micro-organismos podem atacar a articulação, gerando pus no local. Além da dor aguda, acontecem também inchaço repentino e febre.

 

A identificação da patologia é feita pelo médico a partir do relato do paciente e com algumas análises físicas. Quando necessários, exames de ultrassonografia ou ressonância magnética podem ajudar no diagnóstico.

 

Os tratamentos são indicados de acordo com o problema que causou o derrame, podendo ser feito com associação de medicação anti-inflamatória e fisioterapia. Geralmente os líquidos são absorvidos pelo próprio organismo, entretanto, em alguns casos, é necessário realizar uma punção articular, um procedimento ambulatorial simples, com anestesia leve no local atingido e uso de agulha específica para retirada do excesso de fluído. Em casos mais graves, o médico pode indicar uma artroscopia, técnica minimamente invasiva que retira parte do tecido sinovial.

 

Algumas medidas que podem evitar o surgimento do derrame articular são: fortalecer as articulações, controlar o peso, evitar sobrecarregar os joelhos e forçá-los em atividade cotidianas, alongar e aquecer sempre as pernas antes de exercícios físicos.

 

Se apresentar algum dos sintomas sugestivos do problema, agende uma consulta com nossos especialistas em cirurgia do joelho, Dr. Gustavo Guerreiro e Dr. Daniel Betú.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *