Lordose, escoliose e cifose: saiba as diferenças.

Condropatia patelar
novembro 20, 2018
O que acontece quando o ombro sai do lugar?
janeiro 17, 2019

Principais problemas de coluna, a lordose, a cifose e a escoliose são alterações que podem ocorrer isoladas ou associadas, interferindo diretamente na qualidade de vida do indivíduo.
A escoliose é uma curvatura lateral anormal da coluna no plano frontal, determinada pela rotação das vértebras. Potencialmente progressiva, pode se manifestar em qualquer fase da vida, embora seja mais frequente durante o estirão de crescimento que ocorre na puberdade. Com causas diversas e muitas vezes desconhecidas, a escoliose pode provocar alguns sintomas, como ombros e quadris assimétricos e desnivelados, tamanho desigual das pernas, e costelas e escápulas salientes em um dos lados do tórax.

 

Diferentemente da escoliose, a cifose é um termo utilizado para denominar tanto a curvatura fisiológica (normal) da coluna nas regiões torácica e sacrococcígea, como a curvatura excessiva, no plano sagital. Nessa situação, ela também é chamada de hipercifose. O problema acomete pessoas de qualquer idade e leva a deformação lenta das costas, que vão ficando arqueadas, podendo provocar dor, fadiga, sensibilidade e rigidez da coluna vertebral.

A lordose também pode designar a curvatura fisiológica da coluna, na região lombar e cervical, além de curvaturas patológicas. Um pouco de lordose é normal, porém alterações no grau da curva lordótica indicam a presença de desvios posturais e a lordose passa a ser chamada também de hiperlordose. A principal manifestação dessa desordem é a lombalgia (dor nas costas), particularmente depois de atividades que envolvem a extensão da coluna lombar, como ficar sentado ou em pé por muito tempo. Outros sinais também podem surgir, como espasmos musculares, dores no pescoço, abdômen protuberante e fraqueza nos músculos da barriga.

Diante de qualquer sintoma que possa sugerir um desvio patológico de coluna, consulte um de nossos especialistas em cirurgia da coluna vertebral, Dr. Marcos Sonagli e Dr. Eduardo Bondan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *